Mais portos no litoral do Rio de Janeiro

02. OUT. 2014

PRÉ-SAL O aumento de produção de petróleo mobiliza duas cidades litorâneas na busca de investimento em infraestrutura. Em Maricá, o terminal de R$ 6 bilhões está em fase final de licenciamento. Macaé iniciou audiência pública para projeto de R$ 900 milhões .P11

Projetos de portos avançam em cidades do litoral do Rio

Institucional | Brasil Econômico | Brasil | BR  "O porto é um projeto muito importante e pode mudar o perfil da cidade de Maricá, com potencial de geração de emprego e atração de uma série de empreendimentos para seu entorno" Washington Quaquá Prefeito de Maricá

  "A estrutura de apoio às plataformas está estrangulada efaz mais sentido constrinr uma nova base aqui, onde a indústria já está instalada, do que levar a indústria para outro lugar"  Dr. Aluízio  Prefeito de Macaé.

Maricá e Macaé se mobilizam para licenciar terminais para suportar o crescimento da produção do pré-sal

 

Redação

O crescimento da produção do pré-sal cria expectativa em duas cidades do litoral fluminense, que esperam deslanchar projetos portuários para atender à demanda da indústria do petróleo. Em Maricá, na região metropolitana do Rio, a prefeitura prevê para abril a concessão da licença ambiental do porto da DTA, projeto de R$ 6 bilhões, desenvolvido para receber parte da produção da maior província petrolífera brasileira. Em Macaé, a 180 quilômetros da capital, está em fase de consulta pública projeto da Queiroz Galvão, orçado em R$ 900 milhões, para a construção de um porto para apoio à atividade de exploração e produção em alto mar.

"É um projeto muito importante e pode mudar o perfil de Maricá, com potencial de geração de emprego e atração de uma série de empreendimentos para seu entorno", diz o prefeito de Maricá, Washington Quaquá (PT). Localizada em frente aos maiores campos de petróleo do país, a cidade já foi escolhida como porta de entrada do gás natural produzido no pré-sal, por um gasoduto que conectará as plataformas ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) na vizinha Itaboraí. O porto, diz o prefeito, será um passo adiante para transformar a proximidade com o pré-sal em oportunidades de negócios no município.

O projeto terá a capacidade para receber 850 mil barris de petróleo por dia e prevê a construção de tanques para armazenar a produção e de um estaleiro de reparos para embarcações de apoio à indústria petrolífera. Além disso, está projetado um terminal de contêineres. A prefeitura negocia ainda a ampliação do aeroporto local, para o transporte de trabalhadores às plataformas. Atualmente, os embarques são feitos no aeroporto de Jacarepaguá, no Rio, e de Macaé, base de operações da Petrobras para a Bacia de Campos, hoje a maior produtora brasileira de petróleo.

"A estrutura de apoio às plataformas está estrangulada e faz mais sentido construir uma nova base aqui, onde a indústria já está instalada, do que levar a indústria para outro lugar", comenta o prefeito de Macaé, Dr. Aluízio (PV).

As operações da Petrobras são hoje concentradas no Porto de Imbetiba, na área central da cidade, que tem seis berços de atracação e uma enorme fila de espera de navios que levam mantimentos e equipamentos para plataformas em alto mar. O novo terminal foi projetado para ocupar uma área de 400 mil m 2 no bairro de São José do Barreto, na Zona Norte da cidade, com uma plataforma marítima de 90 mil metros quadrados a dois quilômetros da costa.

O projeto prevê capacidade para a atracação simultânea de até 14 embarcações e mira, além da produção na Bacia de Campos, a prestação de serviços para a porção norte da Bacia de Santos, que hoje é atendida pelo Porto do Rio e precisa ser ampliada no futuro. Com uma produção de 346 mil barris de petróleo por dia, a província do pré-sal, que se estende de São Paulo ao Espírito Santo, deve atingir a marca de 2,1 milhões de barris por dia em 2020, segundo projeções da Petrobras. Além da base da Petrobras, Macaé se dia a maior unidade de tratamento de gás natural da companhia, que também deve receber produção do pré-sal.

Os dois projetos enfrentam resistência de entidades ambientalistas. Em Maricá, explica Quaquá, foi feita uma modificação no projeto para reduzir o impacto na costa da Ponta Negra. "A área do porto é uma área que já foi um campo de golfe, não tem mata nativa", diz o prefeito, acrescentando que a prefeitura quer fomentar a criação de um polo industrial na região. Em Macaé, a prefeitura propõe, como medida compensatória, a transformação em unidade de conservação ambiental de uma área de 3,5 quilômetros de costa, na mesma região.

Um terceiro porto, já em obras, disputa com os dois empreendimentos a atenção das companhias petrolíferas. O porto do Açu, projeto iniciado por Eike Batista em São João da Barra, litoral Norte do estado, também tem previsão de áreas para recebimento de petróleo e base de apoio a plataformas.

"O porto é um projeto muito importante e pode mudar o perfil da cidade de Maricá, com potencial de geração de emprego e atração de uma série de empreendimentos para seu entorno"

Washington Quaquá

Prefeito de Maricá

"A estrutura de apoio às plataformas está estrangulada efaz mais sentido constrinr uma nova base aqui, onde a indústria já está instalada, do que levar a indústria para outro lugar"

 

Dr. Aluízio

Prefeito de Macaé

 

Fonte: Noticiário On Line

https://roselypellegrino.wordpress.com/2014/02/10/mais-portos-no-litoral-do-rio-de-janeiro/


Mais NotÝcias >

 

 

 
FALE CONOSCO
Camara Mundial da Indústria e Comércio
Tel: 21 2507-8191 / 3178-2717 / 3178-2740 / 3178- 2742 / 3178- 2745
E-mail: camaramundial@camaramundial.com
Enderešo: Rua Riachuelo, 330 - sobreloja
Rio de Janeiro - RJ Cep: 20230-013
SIGA-NOS